Após 2 anos em desenvolvimento, Souking Entertainment abre loja digital de games em busca do produtor brasileiro

Empreendedores afirmam que desenvolvedores nacionais demoram a fazer contato sem atentarem para as perspectivas do crescente mercado brasileiro e mundial.

Empreender no Brasil continua sendo um desafio, não apenas pelas barreiras econômicas e burocracia, mas também pelas dificuldades encontradas no processo. Esta é a situação vivida pelos criadores da loja online de jogos digitais Souking Entertainment, que passou por dois anos de desenvolvimento, abrindo provisoriamente seu site de vendas.

Em conversa com o Drops de Jogos, Marcela Quintela Trujillo, CEO da Souking Entertainment, não esconde os contratempos, mas mostra-se longe de desistir da empreitada: "Encontramos dificuldades iniciais para a estruturação do site, tendo em vista que dentro do programa do Startup RS, no qual estamos participando, tínhamos pouco tempo para cumprir as metas estabelecidas, sendo uma delas ter um site viável para comercializar os jogos. Antes disso, havíamos utilizado a tecnologia e os recursos errados para confeccionar a loja, algo que acabou por atrasar nossos planos de implementação do site", explicou. "O que temos hoje é apenas uma amostra do que fomos capazes de fazer em 5 meses de mentoria através do programa promovido pelo Sebrae", informou, em alusão ao Programa Startup RS, promovido pelo Sebrae, que selecionaou 20 startups dentre as 81 inscritas para o fomento. "O programa tem como finalidade impulsionar projetos inovadores e auxiliar na melhoria dos seus modelos de negócios para fomento à captação de investimentos. Com isso, foi possível chegar a este protótipo funcional da loja", completou.

Foto - Flávio Caldieraro, Marcela Quintela Trujillo e Alexandre PalagemAlém dos problemas com a estruturação da plataforma, Marcela explicou também as dificuldades junto às empresas de jogos e indies nacionais: "Dentre as dificuldades que encontramos durante todo o período de desenvolvimento, uma foi o contato com as empresas de jogos brasileiras. Grande parte delas não nos retorna com uma resposta em relação à proposta que enviamos. Isso nos impossibilita de saber se foi falta de interesse no projeto ou outro motivo qualquer. Parece existir pouco interesse ou até em certa medida uma desconfiança quanto à eficiência da proposta da Souking no mercado brasileiro", avaliou. 

A empreendedora acredita que, de um modo geral, o desenvolvedor brasileiro ainda não sabe divulgar seus projetos e 'vender seu peixe': "Não há um enfoque direcionado ao perfil do público brasileiro; o problema está no fato de que não se reconhece que o nosso mercado é recente e que por isso sofre de muito preconceito e pouco interesse", esclareceu. Uma possível solução, acredita, deve se dar através da criação de uma plataforma eficiente que alie as necessidades particulares de cada desenvolvedora com as expectativas do público. "Sabemos que se trata de uma proposta bastante ambiciosa, porém a Souking acredita que poderá alcançar isso utilizando-se de pesquisas direcionadas e um diálogo constante com as desenvolvedoras de jogos nacionais no intuito de mapear estratégias diferentes para despertar ainda mais o envolvimento dos jogadores pelo mercado de jogos brasileiro", enfatizou, destacando que a divulgação em si não deve se limitar ao processo de captação do público e na oferta de jogos novos, mas envolver também um estudo aprofundando do contexto atual do mercado e das possibilidades para atrair e fidelizar os jogadores. "Falta-nos a capacidade de entender como conquistar o público brasileiro, fazendo-o perceber o potencial do nosso mercado nacional e da importância de consumir o que está sendo produzido pelos estúdios brasileiros", sugeriu.

A empresa segue com uma amostragem da plataforma de negócios e os jogos já angariados em sua vitrine online, acreditando nas perspectivas do mercado consumidor de jogos no país. Apesar das dificuldades iniciais, a crise financeira que se abate sobre a economia nacional não parece ser um dos problemas encontrados para o andamento do projeto até o momento: "Por sermos ainda uma startup e termos apenas o aporte financeiro dos próprios sócios para investir, acabamos por dar maior prioridade em questões voltadas ao melhorando da plataforma para, em um segundo momento, termos condições de angariar recursos e participarmos de boa parte dos eventos que ocorrem aqui no Brasil na área de jogos. Até o momento, não nos sentimos afetados diretamente por esse período de crise no país, em função de não contamos com nenhum apoio do governo em termos de investimento para impulsionar nossa proposta." 

A equipe mantém firme determinação e crê em dias melhores à frente: "No dia 14 de julho, será o Demoday, momento em que iremos apresentar um pitch aos investidores e demais parceiros do programa Sebrae. Esperamos que esse dia traga muitas contribuições para a Souking e para a nossa proposta de divulgação como um todo", informou a CEO. "Temos objetivos de evoluir ainda mais em médio e longo prazo, quando alcançarmos um investimento ainda este ano", finalizou, animada.

Produtores de games podem acessar a loja online para conhecer o projeto o contatar os profissionais através do email da empresa.

Kao Tokio

Kao Tokio é produtor cultural, pesquisador sobre Cultura de Games e repórter especial do Drops de Jogos.

Website.: www.playnbiz.com

Assine nossa Newsletter

Nome:
Email:

Log in

Cadastre-se