Opinião: Dragonball Fighter Z e não Mario Odyssey foi meu jogo favorito na E3 2017

Opinião: Dragonball Fighter Z e não Mario Odyssey foi meu jogo favorito na E3 2017 Foto: Divulgação

Por Pedro Zambarda, editor-chefe do Drops de Jogos, com reportagem em Los Angeles (EUA)

Desenvolvido pel Arc System Works, um estúdio de Yokohoma, no Japão, Dragonball Fighter Z virou a queridinha da E3 neste ano. Embora não tenha sido escolhido pelo IGN internacional como o game da feira, ele ganhou os olhos a curiosidade dos jornalistas que se impressionaram com o trailer durante a conferência da Microsoft. E o game era absurdamente simples: Meia lua para frente e meia lua para trás são o suficiente para disparar o kamehameha, elevar seu ki e desviar dos golpes do oponentes.

Mario Odyssey foi o favorito do público e entupiu o estande da Nintendo. Mas, para uma pessoa que gosta das coisas de maneira simples (ou complexas o suficiente pra me distrair por horas), Fighter Z me pareceu a diversão na medida certa. 

A demo da E3 trouxe apenas Cell (final form), Majin Boo (first form, o gordo), Freeza (final form), Vegeta, Goku e Gohan (child). Os personagens transitam em diferentes níveis - Goku chega até Super Sayajin 3 -, o que torna o título levemente complexo. Por fim, depois da maior feira de games do mundo, os desenvolvedores confirmaram Trunks (do futuro), Kuririn e Piccolo para o jogo.

Bons antecedentes

A Arc System foi fundada em maio de 1988, começando a desenvolver games para a série Double Dragon no Master System pela publisher Mastertronic. Fizeram jogo baseado no anime/mangá Sailor Moon em 1993 para SNES e iniciaram a série Guilty Gear no PlayStation em 98 com apoio do Sammy Studios. Isso permitiu vários games da franquia até 2016, ao desenvolver Guilty Gear Xrd -REVELATOR-. Trata-se, portanto, de um nome consagrado no mercado japonês.

Anteriormente, em 2015, a Arc fez o game Dragon Ball Z: Extreme Butōden para Nintendo 3DS. Mas nem este e nem nenhum outro game de DBZ parece trazer o mesmo brilho de Fighter Z.

Faltava uma simplicidade ao título que fazia, por exemplo, Dragon Ball Xenoverse 2, feito pela Dimps com a Bandai Namco, se perdesse nos próprios comandos da luta. Jogo simples acaba valorizando o que ele possui em cena.

E a volta do Japão

Numa E3 diferente, com conferências mais contidas, é muito bom ver um jogo japonês desempenhando um papel tão bem. E, pensando que o principal destaque da Sony era um jogo baseado em Spider-man, melhor ainda é ver um título que trata muito bem um anime da minha infância, que era praticamente a minha "novela das oito" quando passava na TV aberta.

Para mim, superou Odyssey. E que me perdoem os fãs de Mario - e do Nintendo Switch, que é um sucesso comercial hoje.

LEIA MAIS: Drops de Jogos considera a conferência da Ubisoft a melhor da E3 2017

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.
Clique aqui e assine nosso canal no YouTube 

Última modificação emSexta, 04 Agosto 2017 03:48
Pedro Zambarda

É jornalista, escritor e comunicador. Formado em Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero e em Filosofia pela FFLCH-USP. É editor-chefe do Drops de Jogos e editor do projeto Geração Gamer. Escreve sobre games, tecnologia, política, negócios, economia e sociedade. Email: dropsdejogos@gmail.com ou pedrozambarda@dropsdejogos.com.br.

Website.: www.geracaogamer.com

Assine nossa Newsletter

Nome:
Email:

Log in

Cadastre-se