Lost Castle, uma resenha. Por Mayara Fortin, colaboradora do Drops de Jogos

Lost Castle, uma resenha. Por Mayara Fortin, colaboradora do Drops de Jogos Foto: Divulgação

Encontrei este jogo fazendo uma busca de games similares a Castle Crashers – que está na minha lista pessoal de co-ops mais divertidos. Não vou comparar um título ao outro, mas vale dizer que, Lost Castle me empolgou bastante e me fez matar a saudade desse tipo de game. 

Apesar de testar o singleplayer para pegar alguns achievements e evoluir meu personagem, a diversão foi garantida quando joguei local co-op. A premissa é simples: Você quer chegar até o chefe final e precisa coletar loot e enfrentar inimigos enquanto passa por cinco mundos - calabouço, jardim, caverna subterrânea, salas do castelo e mais salas do castelo.

O gênero

Apesar de rogue-like nunca ter sido um atrativo para mim, depois de jogar Spelunky e Crowntakers eu comecei a simpatizar mais com esse estilo de jogo.

Em Lost Castle quase tudo é aleatório: Os ambientes, os chefões, as armas, os itens e baús de cada sala, a quantidade de inimigos e os NPCs. Pra deixar tudo ainda mais diversificado, além da variedade enorme de itens – em torno de 200 – os devs ainda acertaram em cheio ao incluir poções com efeitos randômicos negativos e positivos – o que me deixava sempre com um frio na barriga na hora de decidir toma-las ou jogá-las fora. 

Cada sala, cada baú e cada porta trazem uma surpresa e isso deixa o jogo muito divertido! A diversidade definitivamente contribui para que mesmo com a eventual repetição de áreas ou inimigos, algo novo sempre apareça para te motivar a continuar jogando.

As batalhas, as armas e a dificuldade

A única coisa permanente em Lost Castle é a evolução do seu personagem, o que, por um lado, facilita uma série de coisas, mas não influencia tanto em deixar o jogo mais fácil, já que as armas, armaduras e itens é que são os reais transformadores de habilidades.

Percebi que a dificuldade está muito atrelada ao tipo de arma que você escolher carregar. Lutar com lanças e espadas requer muito mais habilidade do que lutar com cajados, que além de terem alcance maior também ativam o movimento por teleporte – baita personagem apelão.

Na minha opinião as batalhas são bem prazerosas e alguns inimigos mais fortes ou chefões exigem uma leve estratégia de ataque e posicionamento, o que cria uma quebra do loop andar-bater-andar-bater.

Feedback final

Gostei bastante de Lost Castle. A arte do jogo não é assim uma Brastemp, mas ele foi bastante divertido e rendeu tantas horas de experiência co-op que ela não pesou como ponto negativo. 

Tudo isso me faz acreditar ainda mais que nenhum jogo precisa ser perfeito para ser considerado bom. O maior valor está em ter uma proposta clara que prenda a atenção do jogador e cumpra com o que prometeu, e a partir daí outros aspectos se tornam secundários.

Para acompanhar a Mayara, que ver o Instagram do Drops de Jogos?

Mayara Fortin é arquiteta por formação, viajou e viveu pelo mundo, do Leste Europeu aos Estados Unidos. Atualmente trabalha como Relações Públicas do Void Studios, de São Paulo, e é uma fã vidrada em games independentes. Sua paixão pelos indies é tanta que um dia ela pretende conseguir fazer reviews de tudo o que já jogou. Foi a correspondente do Drops de Jogos em Los Angeles, durante a E3 2016.

Acompanhe Drops de Jogos no Facebook e no Twitter.
Clique aqui e assine nosso canal no YouTube

Última modificação emDomingo, 30 Abril 2017 08:09
Drops de Jogos

Site de games com pegada cultural, cobrindo a cena brasileira de jogos eletrônicos e o panorama internacional. É editado pelo jornalista Pedro Zambarda. Para envio de releases e contatos comerciais, mande email para dropsdejogos@gmail.com.

Website.: www.dropsdejogos.com.br

Assine nossa Newsletter

Nome:
Email:

Log in

Cadastre-se